domingo, 5 de abril de 2009

Reflexão - Semana Santa: QUANDO RE-PARTIMOS O PÃO

por Maycon Mazzaro | PJ - Campinas SP







“Jesus na cruz iniciou uma Revolução. A Revolução de vocês deve começar na mesa eucarística e daí ser levada para frente. Assim vocês poderão Renovar a humanidade”.

François-Xavier Nguyen Van Thuan


A imagem de Jesus crucificado que está no centro da liturgia da Sexta-Feira Santa revela toda a gravidade da miséria, do pecado, a angústia humana. Realizou-se nele a palavra do profeta de que as nossas feridas pesavam sobre ele, martirizado em todo o corpo pelo tormento dos pecados dos homens. Imagem essa que não significa a transferência meramente divina de nossos sofrimentos para o Cristo, mas, sobretudo, mostra um Deus que sofre junto com seus filhos, as mesmas dores e que maltratado que foi, tornou-se um com todos os maltratados da história. É a misericórdia – o sofrer a miséria junto com os miseráveis.

Uma coisa me deixa triste nesta imagem: o Jesus crucificado que eternizando a miséria do mundo, legitima o sofrimento como um desejo de Deus. A cruz não é isso! Apesar daqueles que preferem reduzi-la ao “Cristo já fez tudo, não precisamos fazer mais nada”, ainda reside em seu significado a doação total de Cristo pela humanidade. Doação realizada em vida, na caminhada histórica e libertadora de Jesus de Nazaré, cujo resultado fora a sua perseguição, prisão e seu assassinato. Isso nos leva à certeza de que, assim como Jesus, precisamos doar a nossa vida pela dignidade dos crucificados deste mundo, mesmo que essa doação nos leve também à cruz. E ela só pode ser suportada, sofrida, com Jesus, aquele que a sofreu por nós e conosco.

Na cruz, Jesus inaugura a paixão redentora: “Meu Deus, Meus Deus, por que me abandonas nesta hora?” É o grito do filho que sofre o temor de ser abandonado por seu pai. É o momento da angústia humana da qual Jesus não fugiu, sua fraqueza e fragilidade demonstram o quanto ele foi forte: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”. A morte de Jesus é a conseqüência de sua vida e opção, voltada para os miseráveis e oprimidos, o que provocou a violência dos que baseiam suas relações na riqueza, estatus e no poder. A cruz, de instrumento de vergonha e ultraje para os judeus, de condenação para os romanos, tornou-se símbolo máximo da verdadeira Revolução que o Cristo trouxe ao mundo.

Em meu último aniversário fui presenteado, por um grande Amigo, com um livro de dom François-Xavier Nguyen Van Thuan, intitulado Cinco Pães e Dois Peixes. Neste livro, uma frase me chama a atenção, mais que qualquer outra, pois exprime fidedignamente o significado da cruz: “A força do amor de Jesus é irreversível.” Sim, uma vida vivida plenamente no Amor é mais forte que a morte. É semente que germina na terra durante uma grande tempestade.

Jesus inicia, então, uma Revolução do gênero humano, e pede a nós que também sejamos essa Revolução cotidianamente. Depois de muito tempo acreditando que uma revolução só era imaginável a partir da luta, do enfrentamento que, percebi, nos torna iguais àqueles que violentam o homem, compreendo agora que a verdadeira Revolução só é possível quando vivida dentro de nós, no dia-a-dia de nossas relações, e por nós transmitidas ao mundo por meio da doação e do testemunho de homem que somos – humanos!.

Quando Jesus partilhou da refeição com seus Amigos pela última vez, sacramentou toda sua vida de doação e de compromisso no repartir do pão. A razão de existir do pão é a de ser consumido, manducado. O pão não serve para mais nada a não ser para isso. Jesus se identifica com o pão: “Eu sou o pão da vida”. Ao fazê-lo, Jesus anuncia qual a razão de sua missão: Ser consumido! Mas, diferentemente do pão do trigo, que era consumido por poucos, Jesus desejou ser sustento para todos. “Jesus tomou um pão, agradeceu a Deus, o partiu e distribuiu a todos eles, dizendo: ‘Isto é o meu corpo, que é dado por vocês’”. Estava Jesus a sacramentar no pão toda a sua vida. É como se dissesse: Vejam! Esta é a minha vida, partilhada e doada a todos vocês. É a Revolução do partir e re-partir o pão, até que todos estejam satisfeitos. Esta Revolução foi hasteada na cruz, e Jesus nos pede que, a partir da mesa do pão, a exalemos por todos os cantos da Terra: “Façam isto em minha memória”.

Quando recebo o Corpo de Cristo, sacramentado no Pão Eucarístico, e o distribuo como comunhão, devo entregar-me junto ao Cristo para fazer de mim alimento para todos, a fim de que todos se saciem do pão que devo ser. Isto significa que devo estar totalmente a serviço dos outros, como Jesus Cristo esteve e ainda está. A Revolução do Partir e Re-partir o Pão deve nos levar a enxergar a cruz de Jesus como sendo nossa. Não mais considerá-la penduricalho e anestesia, vergonha e não-compromisso. A verdadeira Revolução inicia-se na cruz, passa pela mesa da eucaristia, e se concretiza em nossas ações no mundo. A Eucaristia, instituída como serviço no dia que antecede a morte de Jesus, é a fonte e o caminho para a Paz, que é a plenitude da Justiça.

Lembro-me de uma frase do padre Zezinho, que diz: “Há muitos jovens vazios, porque há poucos adultos transbordando”. Que esta Semana Santa nos torne mais humanos, transbordantes de Deus, para fazê-lo também transbordar em outras pessoas. Deixemos que esta liturgia da Maior Semana nos torne, enfim, eucaristizados.

Um comentário:

  1. Reflexão maravilhosa. Devemos repartir o pão que é nossa vida com os nossos irmãos. Assim como fez Jesus!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...