terça-feira, 18 de agosto de 2009

INTRODUÇÃO SOBRE AS ROMARIAS DA TERRA



Romaria é se fazer e estar a caminho. Faz parte da religiosidade popular este gesto que exprime a fé do povo e cuja prática vem desde os tempos bíblicos: Abraão deixou sua terra e foi em busca da Terra Prometida. O povo de Israel, libertado do Egito, também caminhou pelo deserto rumo à terra onde corre leite e mel. Muitos são os exemplos do povo que anda movido pela busca do sagrado.

No Brasil são vários os espaços de romarias: Aparecida, Juazeiro, Lapa… Em Santa Catarina temos entre outras: Romaria de N. S. de Salete em Concórdia e Caibi, Santa Paulina em Nova Trento, Frei Bruno em Joaçaba, Romaria do Trabalhador em Joinville, Romaria de Caravaggio em Nova Veneza.

Em 1978, no Rio Grande do Sul, a CPT daquele regional também pensou em fazer uma romaria. Um pouco diferente das romarias “tradicionais”. Nasceu, então, a Romaria da Terra. Em Santa Catarina, oito anos depois, a CPT organizou a primeira Romaria da Terra. Foi na comunidade de Taquaruçu, Fraiburgo. Em 2003, a Romaria deixou de ser somente da Terra e passou também a enfocar o tema da Água: passou a se chamar “Romaria da Terra e da Água”.

Vejamos um histórico resumido de todas as romarias realizadas até hoje em Santa Catarina.

A primeira aconteceu em 1986, em Taquaruçu - Fraiburgo, cidade santa do Contestado, tendo como lema: “Da luta pela terra brota a vida”. Este lugar foi escolhido por ter sido palco de um dos maiores massacres na luta pela terra. De um lado os latifundiários e o exército e do outro os caboclos e suas lideranças. Estes, durante mais de quatro anos (1912 a 1916) lutaram por um novo céu e uma nova terra, na Guerra do Contestado; presença acima de 20 mil pessoas.

A segunda Romaria aconteceu em Papanduva, em 1987, com os lemas: “Terra de Deus, direito dos trabalhadores” e “Ninguém mais viverá do suor alheio”. Aconteceu neste local por causa da luta de muitas famílias de pequenos agricultores que foram expulsas de suas terras pelo exército para a criação do Campo de Instrução Marechal Hermes. Estas famílias até hoje não receberam a indenização e continuam lutando pela terra; presença acima de 15 mil pessoas.

A terceira Romaria aconteceu em 1988 no Assentamento “25 de Maio” em Ponte Serrada, tendo como lema: “Pequeno Agricultor, garantir a terra é defender a vida”. O local escolhido foi o Assentamento “25 de Maio” em reconhecimento das lutas dos trabalhadores organizados na conquista da terra. O Assentamento “25 de Maio” foi o primeiro de Santa Catarina, fruto da luta de 2.000 famílias que tinham ocupado uma área em Abelardo Luz, em 1985; presença de 30 mil romeiros.

A quarta Romaria foi realizada em Quebra-Queixo, São Domingos, em 1989, e teve como lema:“Lutar pela vida, plantar o chão”. Também aconteceu num lugar muito significativo, pois foi escolhido para a construção de uma barragem, que a exemplo desta, outras 165 estariam sendo projetadas pelo governo brasileiro. A marca desta Romaria foi o crescimento do número de romeiros e romeiras, e a demonstração da opção política cada vez mais clara por parte dos trabalhadores; presença de 53 mil pessoas.

A quinta Romaria aconteceu em 1990, em Taió, e tinha como lema: “Consumirão os frutos do seu trabalho”. O tema desta Romaria estava ligado às profundas transformações ocorridas sobre o trabalho no campo: são os “integrados” - trabalhadores que não consomem mais os frutos de seu trabalho, pois estes são consumidos pelas agroindústrias que integram; presença de 45 mil pessoas.

A sexta Romaria da Terra aconteceu em Otacílio Costa, em 1991, com o lema: “O grito dos trabalhadores chegou aos ouvidos de Deus” (Tg 5,4). Esta Romaria assumiu a continuidade das discussões, reflexões e celebrou a Campanha da Fraternidade de 1991 sobre o Mundo do Trabalho. Foi assumida junto com a Pastoral Operária de SC, tentativa de integrar os trabalhos pastorais em nosso Regional; presença de 45 mil pessoas.

A sétima Romaria da Terra aconteceu em Forquilhinha, sul do Estado, em 1992, com o lema:“Quem rouba e fere a terra rouba e fere os filhos da terra”. O tema desta Romaria foi “Ecologia e Libertação da Terra”. O local foi escolhido por se constatar sérios problemas ecológicos na região. As reflexões realizadas nesta Romaria ajudaram a entender a Eco 92 do ponto de vista dos trabalhadores; presença de 50 mil pessoas.

A oitava Romaria da Terra aconteceu em Florianópolis, em 1993. Teve como lema: “Terra para Plantar e Casa para Morar”. O tema foi “Terra e Moradia”. Florianópolis foi escolhida por se tratar de um local onde se verificam grandes contrastes na situação habitacional e pela história de luta dos moradores da periferia, na conquista da casa e de uma vida mais digna; presença de 20 mil pessoas.

A nona Romaria da Terra aconteceu em Abelardo Luz, em 1994. O lema foi: “O Brasil que queremos é terra, trabalho e dignidade”. Este lema foi escolhido por ser um ano de eleições que convocou a todos para a responsabilidade de construir um país novo. A partir de uma certeza de que é necessária a terra para quem nela trabalha, para quem dela tira o seu sustento, onde gera a vida em comunidade e onde se garante a vida; presença de 45 mil pessoas.

A décima Romaria da Terra aconteceu em Mafra, em 1995. O lema foi: “Excluídos da Vida - Eu Vi, Ouvi e Desci para Libertá-los” (Ex 3,7-8). A Romaria da terra deve ser um sinal de busca de novos processos transformadores destas situações de iniqüidade. O desafio proposto pelo Evangelho no “seguimento de Jesus”, na busca do “caminho”, está em como pensar novas relações no plural e no respeito ao diferente. A presença de 35.000 romeiras e romeirosproporcionou uma grande celebração de fé e um momento privilegiado de encontro de parceiras e parceiros na luta pela terra e na terra1.

A décima primeira Romaria da Terra foi realizada em Fraiburgo, no Parque da Maçã, em 1996. O lema foi “Justiça e Paz para a Nação com Terra, Trabalho e Pão”. O tema foi Terra e Política. Bastante prejudicada pelas fortes chuvas e ventos, a Romaria foi encerrada no início da tarde do dia 8 de setembro. Cerca de 20.000 pessoas participaram.

A décima segunda Romaria da Terra aconteceu em Ituporanga, no Parque Nacional da Cebola, dia 14 de setembro de 1997. O tema foi “Terra e Libertação” e o lema: “Terra Direito e Herança de Todos” (Lv 25). Também nesta Romaria o tempo não colaborou muito: fortes chuvas e trovoadas durante toda a madrugada do dia 14 fizeram com que diminuísse o número de romeiros esperado. As chuvas continuaram até a metade da manhã do domingo, dia 14. O público presente foi de cerca de 25.300 pessoas.

A décima terceira Romaria da Terra aconteceu em Curitibanos, no Parque de Exposição, no dia 13 de setembro de 1998. O tema foi “Terra, Direito e Esperança” e o lema: “Deus defende o Direito dos pobres” (Sl 33). Apesar de ser mais uma Romaria com tempo chuvoso, o público foi de25.000 pessoas.

A décima quarta Romaria da Terra aconteceu em Maravilha, Diocese de Chapecó, no dia 12 de setembro de 1999. O tema foi “Terra, Trabalho e Cidadania” e o lema: “Terra, trabalho e cidadania… o pão nosso de cada dia” (Mt 6,11). Desta vez o tempo foi bom, com o sol brilhando forte durante todo o dia. Participaram cerca de 30.000 pessoas.

A décima quinta Romaria da Terra aconteceu em Lages, na comunidade do Salto Caveiras, no dia 10 de setembro de 2000. O tema foi “Jubileu da Terra” e o lema: “Anunciar a Boa Notícia aos Pobres” (Lc 4,18). Novamente prejudicada pelas fortes chuvas, inclusive granizo, a Romaria teve de ser encerrada por volta das 15 horas, não sendo possível realizar a Celebração Eucarística. Público presente de cerca de 20.000 pessoas.

A décima sexta Romaria da Terra aconteceu na Diocese de Blumenau, em Rio dos Cedros, no dia 16 de setembro de 2001. O tema foi “Terra, Água, Direitos” e o lema: “E todos repartiam o pão”(At 2,46). Assim como a Romaria do ano anterior, foi feita em conjunto com a CNBB e as Pastorais Sociais (PJ, PO, P. Saúde) e os MPAS. Foi a primeira Romaria realizada em data diferente, já que todas as anteriores aconteceram no segundo domingo de setembro. Com um tempo bom, de muito sol, a Romaria teve a participação de 15.000 romeiros e romeiras, segundo a imprensa. Foram contados 167 ônibus.

Observação: no ano de 2002 não aconteceu a Romaria da Terra. Dia 8 de setembro, as Pastorais da Juventude de SC realizaram uma grande manifestação em Curitibanos, celebrando os 20 anos das PJs.

A décima sétima Romaria da Terra e Romaria das Águas foi realizada em Itaiópolis, Diocese de Joinville, no dia 14 de setembro de 2003. A Romaria trouxe presente a questão da Água, inclusive na logomarca, na nomenclatura. O lema desse ano foi: “Essa Água é nossa!” (Gn 26,20). A Romaria foi assumida como uma atividade da Igreja do Regional e serviu como um processo de preparação para a Campanha da Fraternidade de 2004, cujo tema é “Água, fonte de vida”. Também realizada num final de semana de tempo bom, muito frio e um pouco nublado no domingo. Participação de 15.000 romeiros e romeiras. Esteve presente na Romaria o presidente nacional da CPT, Dom Tomás Balduíno.

A décima oitava Romaria da Terra e da Água foi realizada em São Carlos, Diocese de Chapecó, no dia 12 de setembro de 2004. Mais uma vez a questão da água esteve presente na discussão da Romaria, sendo dado um maior destaque à situação dos atingidos por barragens, já que na região está sendo prevista a construção da hidrelétrica da Foz do Chapecó. O local da Romaria, Balneário de Pratas, fica próximo ao Rio Uruguai. O lema da 18ª Romaria da Terra e da Água foi: “Terra e água, fontes de vida”. A forte chuva que caiu desde o sábado à noite (em todo o estado) atrapalhou em parte a programação. Porém, a Romaria aconteceu, somente sendo encerrada mais cedo. Participação de 10.000 romeiros e romeiras.

A décima nona Romaria da Terra e da Água realizou-se em Caçador, no Parque das Araucárias, no dia 11 de setembro de 2005. Um domingo de muita chuva marcou mais esta Romaria. O lema escolhido para nortear a discussão foi “Semear a Boa Semente”, inspirado em Mt 13,24. Com uma fraca participação, pouca mobilização e muitos problemas na organização, a Romaria teve uma presença de cerca de 6.000 romeiros e romeiras.

A vigésima Romaria da Terra e da Água aconteceu em Correia Pinto, no Assentamento Pátria Livre, Diocese de Lages, dia 09 de setembro de 2007. Domingo de sol onde cerca de 6.000 romeiros e romeiras estiveram presentes para celebrar a Romaria que teve como lema “Esta terra é boa e é nossa!”. Foi uma Romaria diferente. Feita em conjunto com movimentos e pastorais, teve a partilha como fato marcante. Do jeito das Festas das Tendas, alimentos foram distribuídos gratuitamente. Nada era cobrado. Somente as camisetas e bonés foram vendidos, para pagar o custo da confecção. Também marcou esta Romaria a “volta à terra”, já que foi realizada num Assentamento e não em Parques de Exposição, como vinha acontecendo anteriormente.

A vigésima primeira Romaria da Terra e da Água acontecerá em Braço do Báu, município de Ilhota, Diocese de Blumenau, no dia 13 de Setembro de 2009. “Cuidar da Terra. Garantir a Vida” é o lema mobilizador desta grande Romaria que está sendo construída em mutirão.

1 CPT-SC, Texto Base da 11ª Romaria da Terra, 1996.

Fonte: http://cnbbsul4.org.br/sites/cpt/romaria/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...