quinta-feira, 21 de abril de 2011

A Palavra do Bispo de Criciúma, Dom Jacinto Inário Flach, na Semana Santa



Saudações em Cristo!

Felizes todos os que se preparam para celebrar mais uma vez o grande Mistério do Amor de Deus pela humanidade. Pois, em Cristo, foram reconciliadas todas as coisas, estabelecendo a paz por seu sangue derramado na cruz. Há dois mil anos este mistério maravilhoso é acolhido, celebrado e vivido nos corações de fé cristã. Aqui, eu gostaria de recordar uma homilia de Páscoa do século II, feito pelo Bispo Melitão de Sardes, sobre o Cordeiro Imolado que nos libertou da morte para a vida.


“Muitas coisas foram preditas pelos profetas sobre o mistério da Páscoa, que é Cristo, a quem seja dada a glória pelos séculos dos séculos. Amém (Gl 1,5). Ele desceu dos céus à terra para curar a enfermidade do homem; revestiu-se da nossa natureza no seio da Virgem e se fez homem; tomou sobre si os sofrimentos do homem enfermo num corpo sujeito ao sofrimento, e destruiu as paixões da carne; seu espírito, que não pode morrer, matou a morte homicida.

Foi levado como cordeiro e morto como ovelha; libertou-nos das seduções do mundo, como outrora tirou os israelitas do Egito; salvou-nos da escravidão do demônio, como outrora fez sair Israel das mãos do faraó; marcou nossas almas como sinal do seu Espírito e os nossos corpos com seu sangue.

Foi ele que venceu a morte e confundiu o demônio, como outrora Moisés ao faraó. Foi ele que destruiu a iniqüidade e condenou a injustiça à esterilidade, como Moisés ao Egito.

Foi ele que nos fez passar da escravidão para a liberdade, das trevas para a luz, da morte para a vida, da tirania para o reino sem fim, e fez de nós um sacerdócio novo, um povo eleito para sempre. Ele é a Páscoa da nossa salvação.

Foi ele que tomou sobre si os sofrimentos de muitos: foi morto em Abel; amarrado de pés e mãos em Isaac; exilado de sua terra em Jacó; vendido em José; exposto em Moisés; sacrificado no cordeiro pascal; perseguido em Davi e ultrajado nos profetas.

Foi ele que se encarnou no seio da Virgem, foi suspenso na cruz, sepultado na terra e, ressuscitando dos mortos, subiu ao mais alto dos céus.

Foi ele o cordeiro que não abriu a boca, o cordeiro imolado, nascido de Maria, a bela ovelhinha; retirado do rebanho, foi levado ao matadouro, imolado à tarde e sepultado à noite; ao ser crucificado, não lhe quebraram osso algum, e ao ser sepultado, não experimentou a corrupção; mas ressuscitando dos mortos, ressuscitou também a humanidade das profundezas do sepulcro.”

 

Boa Semana Santa e Feliz Páscoa!

Dom Jacinto Inácio Flach
Bispo da Diocese de Criciúma
Fonte: www.diocesecriciuma.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...